Com vocês…
Os Incríveis, a mais famosa banda de rock de todos os tempos no Brasil!

A banda

Anos 60, o mundo fervia com a juventude motivada com novas ideias deixando um mundo envelhecido para trás, e, no Brasil, não era diferente. Tomados pela atmosfera incendiária do rock’n’roll alguns rapazes formaram o grupo musical The Clevers. Eram eles: Mingo, Netinho, Manito, Risonho (Aroldo-1979) e Neno (Nenê-1975). Apadrinhados pelo radialista Antonio Aguillar, gravaram o primeiro disco com duas músicas instrumentais em 78rpm: Afrika e El Relicário, que logo se tornou um grande sucesso pela gravadora Continental.

Em 63, a banda já tinha o seu próprio programa musical de televisão chamado Clevers Show com balé dirigido por Leny Dale.

Shows no exterior

O início das incontáveis turnês pelo exterior foi quando a banda viajou para se apresentar em 35 cidades da Itália com a cantora italiana Rita Pavone, que teve um badalado romance com o baterista NETINHO. Para se ter uma melhor ideia do sucesso de Rita Pavone pelo mundo, era, mal comparando, a cantora Madonna no auge da carreira nos dias de hoje.

Origem do nome da banda:

Contratados pela TV Argentina em 64, gravaram em castelhano e foi quando a banda mudou o nome para Los Increibles. Após 10 meses em Buenos Aires, o grupo retorna ao Brasil como Os Incríveis e participam da estreia do programa Jovem Guarda pela TV Record com Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa. Em 1966, assinam contrato com a TV Excelsior para comandar, nas tardes de domingo, o programa Os Incríveis. Em 67, foram para a TV Tupi e o programa Os Incríveis torna-se líder de audiência nacional. A música Vendedor de Bananas, de Jorge Benjor, era o novo sucesso.

O primeiro filme de cinema:

Durante um cruzeiro de navio pela Europa em 66, a banda fez o primeiro filme longametragem brasileiro a cores, Os Incríveis Neste Mundo Louco, produzido por Primo Carbonari e com direção de Paulino Brancato Jr. Nessa viagem, NETINHO conheceu Sandra Haick e, logo depois, casaram-se e tiveram 2 filhos: Samadhi Haick e Sandro Haick.

Gravação de disco no exterior:

Na terra dos Beatles, os rapazes de Os Incríveis gravaram um CS pela gravadora DECCA e, de volta ao Brasil, conseguiram um megasucesso com a música Era Um Garoto Que, Como Eu, Amava Os Beatles e Os Rolling Stones.
Em 68, apresentaram-se em algumas cidades do Japão e gravaram, em japonês, Kokorononiji e I Love Tokyo.

Idas e voltas:

Em 1970, ano da Copa de Futebol, Os Incríveis eram campeões de bilheteria, com muitos troféus, bateram novo recorde em vendas com a música de Dom: Eu Te Amo, Meu Brasil, e um novo guitarrista e vocalista, Aroldo Santarosa, entrou para a banda. Em 71, o grupo resolveu parar e Netinho montou uma nova banda: Casa Das Máquinas, com 3 LPs pela Som Livre,  seus maiores sucessos foram Vou Morar No Ar e Casa De Rock. Em 95, o show Novo De Novo comemorando 30 anos de Jovem Guarda que reuniu Ronnie Von, Wanderléa, Golden Boys, Sylvinha, Eduardo Araújo, Os Incríveis, Bobby di Carlo e Martinha, foi uma produção de Netinho e Eduardo Araújo, superlotando o Tom Brasil SP durante um mês, e que trouxe Os Incríveis de volta. Desde então, a banda mais conhecida dos anos 60 percorre os palcos do Brasil com esse time de craques da nossa música comandados pelo baterista Netinho. Em um show vibrante e emocionante, apresentam grandes sucessos e revivem os melhores momentos da época, em CD Os Incríveis Ao Vivo Warner/Continental em 2000, direção de Netinho e produção musical de seu filho Sandro Haick.

Em 2012, Netinho lançou seu primeiro livro Minha história ao lado das baquetas, produzido e revisado por sua filha Samadhi Haick, pela Editora Minuano.

Gravação do DVD:

Em maio de 2014, a banda apresentou um grande show para gravar o DVD em comemoração aos 50 Anos dos Incríveis no Teatro Bradesco, com homenagem aos ex-integrantes, e para reforçar o som, convidou o vocalista Rubinho Ribeiro e o tecladista Bruno Cardozo.

O DVD Netinho comemora 50 anos dos Incríveis, pela gravadora Eldorado, está nas lojas para a alegria dos fãs.